Site Versão em Inglês Site Versão em Espanhol
 
Facedbook twitter YouTube

Multimídia » Clipping
 
 
QUARTA-FEIRA, 05 DE FEVEREIRO DE 2020 | 08:40
 
Indústria leva novo tombo e deve reagir com lentidão
 
A produção industrial brasileira de 2019 caiu 1,1% em relação a 2018, segundo a Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF), divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a primeira queda após dois anos, influenciada pelo baque sofrido na mineração de ferro, após o rompimento da barragem de Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho, na Grande Belo Horizonte. O vazamento do reservatório deixou 259 mortos, 11 pessoas desaparecidas e contaminou mananciais hídricos. Segundo o IBGE, o ritmo das fábricas foi derrubado pela redução de 9,7% na produção da indústria extrativa, que engloba a atividade mineral.

O gerente de pesquisa do instituto, André Macedo, afirmou que se o setor extrativo fosse retirado do cálculo, a indústria teria registrado expansão de 0,2% no ano. Em 2018, a produção industrial havia avançado 1% e em 2017 o crescimento foi de 2,5%. O IBGE identificou, ainda, outros 15 setores com resultados negativos, totalizando 16 no vermelho, portanto, entre 26 atividades da indústria observadas. Entre elas, estão a metalurgia (-2,9%), a indústria de celulose e papel (-3,9%) e a manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (-9,1%).

O economista da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) Marcos Marçal explica que o recuo na produção de minério de ferro resultante do rompimento da barragem da Vale, no fim de janeiro de 2019, se espalhou para outros setores. “A indústria extrativa demanda de outros setores. As empresas compram máquinas e veículos. Com o desastre, a queda se dissemina. Além disso, houve redução da atividade extrativa no Pará, por outros motivos, bem como em outras instalações da Vale em Minas”, afirma.

O economista também aponta a crise na Argentina, que mantém grande demanda à mineração e à metalurgia devido à compra de veículos e partes de carros, como outro fator que contribuiu para a retração da atividade extrativa em 2019. Para 2020, Marçal espera recuperação do setor minerário. Porém, ele acredita que é algo dependente de uma série de fatores, como a demanda da China. “Ainda é cedo para falar, estamos avaliando o impacto. Mas a recuperação deve ser mais moderada”, diz.

O professor de economia da escola de negócios Ibmec/MG, Felipe Leroy, atribui o impacto da retração da indústria extrativa na produção industrial geral a uma concentração nas mãos de poucas empresas. “O impacto de um desastre ambiental, que é o maior da história, transborda para dentro do próprio setor e de outros, como o de serviços”, explica. Na opinião de Leroy, especialmente para Minas Gerais, o estrago é maior devido a uma concentração da produção em poucos setores: o minerário e o agropecuário.

Por isso, na avaliação de Leroy, Minas não deve ficar dependente de fatores como a demanda chinesa e a concorrência externa na mineração. “Como estratégia econômica, é necessário fugir dessa matriz de minério, dependente da exportação”, argumenta. Porém, o professor afirma que commodities (produtos agrícolas e minerais com preços cotados no exterior) tradicionais da economia mineira, como o café, têm boa performance no comércio internacional.

Em relação à redução de desempenho da indústria em geral, Marcos Marçal avalia que foi algo próprio de 2019 e não deve representar tendência para o ano que vem. “As perspectivas para 2020 são melhores. A redução da taxa Selic (aquela quer remumera os títulos do governo no mercado financeiro e serve de referência para as operações nos bancos e no comércio) e a retomada dos índices de confiança do empresário devem significar um nível de investimento maior na indústria”, afirma. Já para Felipe Leroy, a tendência é de “leve recuperação no médio e no longo prazo. A indústria é um dos últimos setores a responder com a recuperação econômica”, diz.

Consumo Duas das quatro grandes categorias econômicas monitoradas pela pesquisa apresentaram queda. A produção do grupo de bens de capital, que representa a fabricação de máquinas e instalações que são utilizadas para produzir outros bens, teve queda de 0,4%. A de bens intermediários, que envolve as matérias-primas usadas na produção industrial – onde a mineração é contabilizada – caiu 2,2% em 2019.

Por outro lado, as outras duas categorias, referentes aos bens de consumo, apresentaram crescimento em 2019. A de bens de consumo duráveis teve expansão de 2%. Já a de bens de consumo semiduráveis e não duráveis cresceu 0,9%. Dessa forma, atividades como a produção de veículos automotores (2,1%), produtos alimentícios (1,6%) e bebidas (4%) tiveram expansão durante o ano passado.

Ou seja, em 2019 a tendência foi de recuo da produção de máquinas e matérias-primas, mas de expansão do consumo. Para o professor Felipe Leroy, como a demanda estava baixa, não havia necessidade do empresário investir na ampliação da capacidade de produção e em novas máquinas. “Com a retomada de atividade da economia, o consumo aumentou. Por isso, depois devemos ter uma ampliação da capacidade de produção para atender essa demanda”, analisa.

Na comparação do índice de produção industrial de dezembro de 2019 com dezembro de 2018, a queda foi de 1,2%. O quadro é similar ao do acumulado de 2019, com retração na indústria extrativa de 12,2%. No entanto, a produção de derivados de petróleo e biocombustíveis teve expansão de 10,8% no período. Já na comparação do índice do quarto trimestre do ano passado com o terceiro trimestre, houve “redução na intensidade da perda”, como descreveu o IBGE. Nos três últimos meses de 2019, predominou queda de 0,6% na produção industrial, ante redução de 1,2% no terceiro trimestre.

fonte: Estado de Minas (escrita por Felipe Quintella. Editada por Marta Vieira)
 
Mais recentes
 
SEXTA-FEIRA, 03 DE ABRIL DE 2020 | 09:24
 
Apoio à economia é prioridade monetária, diz banco central chinês
 
Vice-presidente da instituição afirmou que a economia chinesa melhorou em março se comparada com fevereiro
QUARTA-FEIRA, 01 DE ABRIL DE 2020 | 09:06
 
Guedes defende equilíbrio entre isolamento social e o que economia aguenta
 
Se deixamos abater também uma depressão econômica, o problema vai ser mais sério
SEXTA-FEIRA, 27 DE MARÇO DE 2020 | 09:43
 
BC projeta estabilidade para a economia este ano, mostra relatório
 
Crescimento para agropecuária foi mantido em 2,9%
Confira todas as notícias
 
  
  

PEÇAS E COMPONENTES
Disponibilizamos através da Tba (www.tbatec.com.br) peças originais a pronta entrega, utilizadas em nossos equipamentos...
 
Se você tem Gascom,
você tem pós venda.

 

 
 
 

 
ß
 

® 2013 | Gascom Equipamentos Industriais | Todos os direitos reservados
Avenida Marginal Sérgio Cancian, 5293 | Sertãozinho | SP | Fone 16 2105-3622 | comercial@gascom.com.br
 
  » Inicial

» Empresa
    História
Localização
Clientes
» Produtos

» Serviços e Peças
    Assistência Técnica
Peças e Componentes

» Multimídia
    Notícias
Clipping
Sala de Imprensa
Eventos
» Contato
    Fale conosco
Solicite seu orçamento
Trabalhe conosco
Seja nosso fornecedor